Lesões Causadas por Movimentos Repetitivos

Existe uma máquina dotada da tecnologia PST (pulsed signal therapy) que emite campos magnéticos. Assim, se o indivíduo tiver um problema no joelho, por exemplo, como uma tendinite ou uma artrose, basta posicionar a manta sobre a região, inserir um cartão no aparelho (geralmente, cada cartão contém 9 sessões) e ligá-lo. Imediatamente a máquina começará a emitir um sinal, motivado pela criação de um campo magnético de 27 Watts de baixa potência. O aparelho simula os efeitos de uma articulação normal.

Logo, em se tratando de uma artrose, por exemplo, o aparelho estimula o condrócito a formar mais cartilagem. No caso de uma tendinite, a máquina estimula o processo de regeneração dos fibroblastos. Em níveis microscópicos, a tendinite é caracterizada pelo surgimento de lesões, que são pequenas rupturas, que não restauradas pelo aparelho.

Na verdade, o trabalho do aparelho não é uma novidade, uma vez que os estudos da referida tecnologia tiveram início em 1960, nos Estados Unidos. O responsável pelo projeto é Dr. Richard Markoll, formado em física e medicina, Markoll ficou por vários anos estudando os campos magnéticos em pacientes com artrite e artrose. As pesquisas fizeram um sucesso enorme, gerando diversas publicações em periódicos científicos.

A grande vantagem do método é que proporciona 70 a 80% de eficácia sem que o paciente tenha que tomar um único comprimido. Muitas vezes, a dor desaparece. O aparelho é eficiente até nos casos em que houver indicação cirúrgica. Existem inúmeras situações de pacientes que já possuíam data para realizar a cirurgia, mas que não precisaram se submeter a ela, tamanho o grau impressionante de eficácia da técnica. Trata-se de uma terapia antidroga e que não produz efeitos colaterais.

O tratamento em questão possui um preço elevado, mas ainda é mais barato que uma cirurgia. Apenas alguns planos de saúde (os melhores) no Brasil fornecem cobertura, reconhecendo a eficácia do método proposto. Como se sabe, as cirurgias ortopédicas geram um longo processo de convalescença, deixando a perna do paciente imobilizada durante muito tempo. Além disso, ainda existe o risco de trombose, embolia, parada cardíaca.

O equipamento com a tecnologia PST chegou pela primeira vez no Brasil em 2003. Inicialmente, apenas duas clínicas detinham o aparelho. Na Alemanha, mais de 400 clínicas possuem a máquina, sendo que todos os times de futebol alemães têm o equipamento, que é usado constantemente pelos atletas. Os tenistas também utilizam o aparelho frequentemente. Atualmente, o aparelho é oferecido por seis clínicas na cidade de São Paulo, e por outras cidades do país. Clínicas veterinárias também costumam usar o aparelho, já que os cachorros também apresentam muitos problemas relacionados à artrose.

O aparelho passou a se configurar como uma alternativa para aqueles pacientes que não tinham condições cirúrgicas. Se um determinado paciente tem uma artrose no joelho ou varizes, por exemplo, que envolvam alto risco cirúrgico, ampliado por fatores como idade avançada e diabetes, a melhor alternativa é o tratamento de PST.

Embora o aparelho realmente seja eficaz, ele não produz os resultados esperados em cerca de 20% dos casos. Portanto, o paciente precisa passar por uma avaliação médica antes de ser submetido ao tratamento. Bem indicado, a eficácia do aparelho chega a 80%.

Quando o aparelho não surte o efeito desejado, o tratamento passa a ser medicamentoso e com base no uso de gelo. Em casos de tendinite patelar, o paciente é orientado a retirar a carga, evitando subir degraus. Em se tratando de um problema postural, deve-se corrigir a postura. O fortalecimento muscular é vital para qualquer problema ortopédico. Some-se a isso a orientação quanto à ergonomia e postura. Muitas pessoas reclamam ter tendinite, mas muitas vezes o problema é causado porque o indivíduo dorme de bruços, que ocasiona cervicobraquialgia.

Em resumo, a tecnologia PST é espetacular e não induz o paciente a tomar comprimidos. Quando Markoll inventou essa tecnologia, ele chegou a ser ameaçado de morte pela indústria farmacêutica americana. Devido ao sucesso do aparelho, muitas pessoas começaram a ir à Universidade de Yale para realizar o tratamento. Contudo, o pesquisador acabou patenteando o aparelho em Munique, Alemanha, em 1996. Em seguida, o aparelho se espalhou pela Europa e chegou ao Canadá. A tecnologia também tem sido alastrada pelo Brasil.

Cada sessão do aparelho dura 1 hora. Depois, basta desligar o aparelho, retirar o cartão, e repetir o procedimento no dia seguinte. Ao todo serão nove dias. Além disso, vale ressaltar que o aparelho pode ser usado o cotovelo, punho, joelho, e tornozelo. Para a coluna, quadril, e ombros é necessário a utilização de um aparelho de grande porte. Portanto, nestes casos o paciente deve se deslocar até a clínica.

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

error: Conteúdo protegido!