Síndrome Metabólica

A expressão síndrome metabólica ainda não é absolutamente aceita pela classe médica. Essa síndrome é diagnosticada no sujeito que apresenta pressão arterial, aumento da taxa de triglicérides (gorduras no sangue), ampliação do índice do colesterol, e a famosa obesidade central, caracterizada pela formação de barriga após os 40 anos e atualmente muito frequente nas mulheres depois da menopausa.

Assim, esses aspectos caracterizam um conjunto de situações que levam ao aumento do risco de eventos cardiovasculares. Isso significa que as pessoas com síndrome metabólica possuem uma chance muito maior de desenvolver um infarto quando comparadas às pessoas da população saudável.

O grande problema relacionado à obesidade é o consumo excessivo de alimentos ricos em gordura trans, presentes até mesmo em produtos que afirmam não utilizá-la. Na verdade, a indústria alimentícia substituiu a gordura trans pela chamada gordura de palma, que é saturada. Toda gordura saturada é pró-inflamatória. E como se sabe, a obesidade também está ligada às doenças inflamatórias. Some-se a isso o sedentarismo e todos os demais fatores que acarretam o aumento exagerado da obesidade.

Com relação à obesidade central pode ser identificada através da mensuração da cintura abdominal. Para isso, basta o indivíduo utilizar uma fita métrica e colocá-la no nível do umbigo ao redor da cintura. As mulheres que apresentarem uma medida superior a 88 cm podem ter a certeza de que já estão entrando na faixa da obesidade central. No caso do homem, a mesma conclusão é obtida mediante uma medida de 104 centímetros. Cabe ressaltar que alguns estudiosos ainda consideram níveis ainda mais inferiores.

Vale lembrar que não é muito difícil encontrar pessoas que exibam medidas de cintura abdominal acima do estabelecido como ideal. É muito comum que, a partir de determinada faixa etária, os pacientes cheguem aos consultórios já obesos e hipertensos. A pressão é considerada alta quando ela está acima de 14/8,5. Cabe observar que não se trata apenas de medir a pressão arterial assim que o paciente chega ao consultório. Na verdade, o ideal é esperar cerca de 15 minutos antes de medir a pressão, deixando o paciente relaxar em um local tranquilo.

Além disso, o indivíduo não deve falar enquanto sua pressão arterial estiver sendo medida. Por fim, ainda existe o fenômeno do jaleco branco, ou seja, ao visualizar o enfermeiro ou médico que irá medir a pressão o paciente fica nervoso, ficando propenso a apresentar hipertensão durante o exame. Esta é a chamada “hipertensão do jaleco branco”. Ao diagnosticar a pressão alta equivocadamente, o médico receita um remédio para controlar essa hipertensão. Contudo, ao tomar o medicamento o paciente acaba tendo problemas devido à queda abrupta da pressão.

Juntamente com a obesidade central existe um elemento muito comum atualmente: esteatose hepática, caracterizada pela presença de gordura no fígado. Essa gordura é acumulada nesse órgão devido ao consumo exagerado de alimentos gordurosos no período noturno, como um sanduíche com hambúrguer. Além disso, vale frisar que o macarrão instantâneo (cada pacote de tempero de um macarrão instantâneo possui 50% de todo o sal que um indivíduo deveria consumir ao longo do dia) também é extremamente nocivo ao organismo tanto em termos de gordura quanto de açúcar. Cabe enfatizar que, se o indivíduo já detiver um metabolismo deficiente, todo açúcar consumido em excesso, à noite principalmente, será transformado em gordura, que é deslocada para a região da barriga ou para o fígado.

Dentro da síndrome metabólica, também é preciso lembrar que existe outro fator chamado hiperglicemia de jejum, que é identificada pela presença elevada de açúcar na corrente sanguínea logo pela manhã. Portanto, são diversos os fatores que colaboram para que o indivíduo desenvolva alguma doença no futuro.

Os maus hábitos alimentares, como comer macarrão instantâneo com salsicha, são os grandes responsáveis pelos quadros de síndrome metabólica. A própria salsicha, por exemplo, contribui para que o total de sal ingerido chegue a 100% do necessário durante um dia inteiro. Convém frisar que isso é válido para indivíduos normais, ou seja, aquelas pessoas que conseguem expelir todo o sal do organismo, sem apresentar problemas renais ou associados à hipertensão. O quadro se torna muito mais complicado quando se trata de pessoas que já são hipertensas.

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

error: Conteúdo protegido!